Nosso Projeto

Borracha nativa da Amazônia

A borracha é feita a partir do látex extraído da seringueira (Hevea brasiliensis), que hoje é encontrada em diversos países do mundo, principalmente na Ásia. Mas a origem da árvore é a bacia hidrográfica amazônica. A Amazônia é o único lugar no mundo onde as seringueiras crescem em estado selvagem. ​Uma seringueira produz em média 1,7 kg de látex por mês e 4,5 litros por ano, em cada estrada existe aproximadamente 100 árvores de seringa. Para que as seringueiras mantenham-se vivas e saudáveis na Amazônia, é necessário que estejam em meio à floresta.

​Para as nossas peças de roupas, compramos a borracha do tipo FSA. Folha Semi Artefato diretamente de duas associações de seringueiros na Amazônia, no Acre. Pagando um preço diferenciado pela matéria prima.

Alternativas tecnológicas para a diminuição do odor da borracha e melhoria da qualidade da FSA, foram desenvolvidos pelo Laboratório de Tecnologia Química da Universidade de Brasília (Lateq/UnB) em parceria com a WWF, essa tecnologia agrega ainda maior valor econômico à borracha amazônica.

 

Algodão orgânico

Nosso algodão orgânico vem da Cooperativa Justa Trama, que garante hoje renda a mais de 700 famílias, compreendidas entre pequenos agricultores de algodão no Ceará, coletores de sementes em Rondônia, para botões e biojoias, fiadoras e tecedoras em Minas Gerais e costureiras no Rio Grande do Sul e em Santa

Catarina. A cooperativa possui dois certificados: o IBD Certificações, que desenvolve atividades de inspeção e certificação agropecuária, de processamento e de produtos extrativistas, orgânicos, biodinâmicos e de mercado justo; e o FLO (Fair Trade Internacional) com a finalidade de assegurar aos consumidores que os produtos adquiridos respeitam normas sociais, econômicas e ambientais especiais. 

Tecido de garrafa PET e algodão reciclado

A cada metro de tecido usado nas roupas PAIMM, 8 garrafas PET e 480 gramas de resíduo têxtil são retirados do meio ambiente. A produção da matéria prima é isenta de água, corantes, produtos químicos e emissão zero de carbono no meio Ambiente.

Comercio justo

preço justo valoriza o trabalho dos seringueiros, dessa forma, ele e as comunidades garantem sua independência e autonomia financeira, além de cuidarem e manterem a floresta em pé, ajudando a evitar o desmatamento.

​Dado a qualidade superior da matéria-prima brasileira e, sobretudo, pela contrapartida social. Para 2018 o valor pago pela PAIMM para a borracha selvagem da Amazônia FSA, foi acordado em R$ 24,00  130% superior ao preço da borracha FDL (folha Defumada Líquida, sem cor), 160% superior ao preço pago pela borracha do Sudoeste do Brasil e 350% a superior ao preço do kg vendido em alguns países da Ásia.